Especial Oscar 2015: relembre algumas curiosidades da premiação

No dia 15 de janeiro ocorreu o anúncio oficial dos indicados aos Academy Awards 2015, o Oscar. A lista, que contou também com as indicações aos prêmios da música, veio sem muitas novidades.

A cerimônia de entrega das premiações ocorrerá no dia 22 de fevereiro e terá lugar no Teatro Dolby, em Los Angeles. Pensando nisso, a equipe do Take 0 organizou um especial com foco total nos Academy Awards. Confira abaixo algumas das curiosidades mais bizarras da premiação e também uma lista com os maiores vencedores da história do Oscar. Imperdível!

A história do Oscar

Hollywood é hoje o ápice do cinema. É o auge de muitas estrelas e o ponto onde tantos atores e atrizes menos conhecidos desejam chegar. É um sonho para muitos. E não é de ontem.

O cinema norte-americano vem desde muito cedo crescendo. Grandes investimentos e apostas no mundo da sétima arte há tempos trazem resultados e geram mais e mais investimentos. É um ramo com constantes inovações, e apostar nisso de modo cada vez mais obstinado tornou Hollywood a fábrica de estrelas, estúdios e superproduções que é hoje. Como dito, representa um sonho.

No entanto, mesmo sendo um dos centros pioneiros no mercado do cinema, Hollywood não dispunha de nenhum órgão, nenhuma organização para promover premiações e recompensas aos filmes que obtivessem êxito, às estrelas que obtivessem destaque, até meados do século XX.

Foi quando teve-se a ideia de proporcionar esta celebração, esta competição saudável, com fins de impulsionar o mercado dos filmes e torná-lo ainda mais difundido. Era o esboço do que viria a ser a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood. Era, em 1927, o esboço do Oscar.

O idealizador? Bem, ele se chamava Louis Burt Mayer. Era presidente da Metro-Goldwin Mayer, e, quando sugeriu sua ideia para um grupo de 36 diretores e atores na época, foi bem recebido, em parte porque todos eles também viam a necessidade de criar alguma premiação para o cinema.

Assim, apenas dois anos depois, em 1929, houve a primeira cerimônia de entrega dos prêmios da Academia. A ocasião foi no Hotel Roosevelt, em Los Angeles, sob a presidência do então astro Douglas Fairbanks. Inicialmente, as cerimônias eram assim, acompanhadas de jantares em hotéis ou restaurantes da cidade. Os resultados das premiações eram previamente conhecidos, visto que as decisões eram tomadas em consenso por todos os chefões dos grandes estúdios.

Os Academy Awards como conhecemos hoje em dia, com a divulgação dos ganhadores somente na hora da premiação, tiveram início em 1941. Antes disso, além dos diretores, os jornais também tinham conhecimento antecipado sobre os resultados, embora fosse acordado que só poderiam divulgá-los no final da noite de premiação.

Um dos fatores para que o sigilo absoluto com relação aos resultados fosse instaurado foi um incidente em que o jornal Los Angeles Times divulgou antecipadamente a lista de ganhadores. Desde então, só são conhecidos os premiados no momento em que são abertos os envelopes, na noite de entrega.

O Teatro Dolby, em Los Angeles. Ele será o palco da cerimônia de entrega do Oscar em 2015.

Como funciona a votação?

Atualmente, os critérios de decisão na hora de votar envolvem mais de 4700 profissionais de diversas áreas do cinema. Primeiro, todos os integrantes da Academia escolhidos para a votação fazem suas escolhas em candidatos de sua mesma área (ou seja, roteiristas votam em roteiristas, atores votam em atores, etc), mas todos votam para Melhor Filme.

Depois, os cinco mais votados em cada categoria são selecionados para uma segunda fase de votação, desta vez com todos os membros da Academia. O sigilo é absoluto, e, desde o caso do Los Angeles Times, nunca mais se soube de nenhuma quebra de segredo.

A empresa responsável pela contagem dos votos e seleção entre os mais votados é a Price Waterhouse, de consultoria e estatística.

Algumas curiosidades sobre os Academy Awards

Confira os 5 maiores vencedores da história do Oscar

  • Walt Disney – 22 estatuetas: o fundador da Walt Disney Pictures é de longe o maior recordista em número de Oscars. Ao todo, foram 22 estatuetas e mais 4 Oscars honorários, além de um feito incrível: ser indicado por 22 anos consecutivos para as premiações! Ele obteve destaque, entre tantas outras, por obras como “Flores e Árvores” (1932, o primeiro Oscar de Melhor Curta de Animação), “Os Três Porquinhos” (1933) e “A Branca de Neve e os Sete Anões” (1937).
  • Cedric Gibbons – 11 estatuetas: também conhecido por ter sido quem desenhou a estatueta do Oscar utilizada até os dias de hoje, Cedric obteve um notável desempenho como Diretor de Arte. Trabalhou, entre as décadas de 30 e meados de 50, em produções como “A Viúva Alegre” (1934), “A Sedutora Madame Bovary” (1949) e “Júlio César” (1953).
  • Edith Head – 8 estatuetas: mesmo na época em que predominavam os filmes em preto e branco, Edith conseguiu obter destaque como figurinista. De fato, seu trabalho foi tão notável que até lhe rendeu uma “homenagem” na animação “Os Incríveis”, com uma versão sua em desenho. Em seu currículo, trabalho em sucessos como os monocromáticos “Tarde Demais” (1949) e “A Malvada” (1950), e o colorido “Sansão e Dalila” (1949).
  • Alan Menken – 8 estatuetas: Alan já arrebatou 8 estatuetas por seu trabalho em parceria com a Walt Disney. Tem participação na criação de músicas e trilhas sonoras originais, como em “Pocahontas”, “Aladdin” e “A Pequena Sereia”.
  • Dennis Muren – 6 estatuetas: seu trabalho com efeitos visuais lhe rendeu nada menos que 6 premiações, por filmes como “E.T.” (1982), “Indiana Jones e o Templo da Perdição” (1984), “O Exterminador do Futuro 2: O Julgamento Final” (1991) e “Jurassic Park – O Parque dos Dinossauros” (1993). Dennis também tem em seu currículo participação em cinco episódios da saga Star Wars, de George Lucas.

Um panorama mundial: a importância do Oscar para o Cinema

O Oscar é, até os dias de hoje, símbolo de glamour, objeto de admiração e objetivo de grande parte dos envolvidos no mundo da sétima arte. E conhecer a sua história, suas origens, nos ajuda a compreender o porquê.

Afinal, se o cinema é o que é na atualidade, se representa esta verdadeira “fábrica de sonhos” e esta constante mudança, inovação, muito é por causa do surgimento do Oscar. A união de diversas personalidades influentes no meio, em busca de algo em comum, em busca de lançar a sétima arte a um patamar jamais visto, foi a causa e também a consequência dessa competição, dessa corrida saudável em busca de melhorar, em busca de superar, em busca de sempre aprender.

E isso é o que impulsiona as grandes produções a ousarem cada vez mais, é o que provoca nos fãs aquela sensação boa de expectativa, e nos atores, aquele desejo de melhorar. Isso é o que move o cinema.

1 Comentário

  1. Gabriel Bringmann says: Responder

    Sensa o trabalho!

Deixe uma resposta